Sindicatos são contra o aumento da carga horária dos servidores estaduais

Sindicatos são contra o aumento da carga horária dos servidores estaduais

Postado em: 16 de janeiro de 2019

Sindicatos são contra o aumento da carga horária dos servidores estaduais

O governo do Estado está realizando um estudo sobre a possibilidade de alterar a carga horária dos servidores públicos estaduais, das atuais 6 horas para 8 horas por dia. Essa notícia pegou os sindicatos que representam o funcionalismo público de surpresa, que já se posicionaram contrários a esta medida.

De acordo com a presidente do Sigeasfi, Líliam Kohler, não há condições atuais para esta alteração de horário.

“O Sigeasfi, em toda sua totalidade, é contrário ao retorno das 8 horas, visto que os salários não foram atualizados e não temos (o Estado) condições para melhoria de trabalho nos escritórios e barreiras fixas do Iagro. Estamos aguardando o Executivo convocar uma reunião para debatermos o assunto e nos posicionarmos contra o estudo e a possível mudança”, comentou Líliam.

Em entrevista ao site de notícias JD1, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores da Administração do Estado do Mato Grosso do Sul (Sindsad-MS), Lilian Fernandes, ainda alertou para os gastos decorrentes do aumento da carga horária. Para ela, o governo teria que gastar com o dobro de vale transporte, aumento na conta de luz, água e gasto com material de expediente.

“Todo esse suprimento para funcionar oito, sendo que você poderia estar fazendo em seis? Estudos sempre foram feitos em relação a mudança de horários, mas nunca foi efetivado porque realmente não compensa”, ponderou a presidente do Sindsad na entrevista.

As entidades sindicais agora estão aguardando uma reunião, já que o governo do Estado se comprometeu em não tomar nenhuma decisão sem consultar os representantes dos servidores públicos.

Iagro

No caso do Iagro, o Decreto nº 14.963 que estabelece o horário de expediente da agência e a jornada de trabalho de seus servidores foi publicado no Diário Oficial do Estado em 9 de março de 2018. A medida, na época, foi adotada depois de muita negociação com os dois sindicatos que representam os servidores da Iagro e, se fez necessário, para reduzir o custeio e padronizar o horário de atendimento nos órgão públicos estaduais.

Por: Assessoria de Comunicação do Sigeasfi-MS