Sigeasfi inicia discussões sobre data base dos servidores com governo do Estado

Sigeasfi inicia discussões sobre data base dos servidores com governo do Estado

Postado em: 19 de abril de 2017

Sigeasfi inicia discussões sobre data base dos servidores com governo do Estado

A diretoria do Sigeasfi-MS se reuniu, nessa terça-feira (dia 18), com a equipe da COGED/SAD, para dar início às discussões sobre a data base dos servidores públicos e demandas pendentes de ajustes da Lei nº 4.196/2012, que dispõe sobre a Carreira de Fiscalização e Defesa Sanitária.

Em pauta, mais uma vez, esteve a negociação salarial, em que foram novamente apresentadas as demandas ainda pendentes, incluindo: reposição da inflação; avanço das distorções salariais nas tabelas para os níveis superior, médio e fundamental da carreira agropecuária; adicionais de capacitação, de localidade (fronteira) e insalubridade.

Também foram demonstrados os entraves ainda presentes nas promoções funcionais, que continuam a limitar o número de vagas nas classes, sendo, principalmente, um gargalo ainda mais limitador para o cargo de auxiliar de serviços agropecuários da carreira.

Outro ponto discutido foi a situação dos servidores da carreira que possuem funções de confiança e que os valores estão sendo calculados sobre o percentual da tabela inicial do cargo em que se encontram, dando margem a diferenciações salariais para uma mesma função realizada – variando os valores de acordo com o cargo (servidor) que estará assumindo a função de confiança.

Os representantes do Executivo informaram que, apesar de estarem construindo uma política salarial permanente, não se pode excluir este ano os diversos entraves que deixaram o Estado em alerta, como: a crise econômica e a redução drástica da arrecadação do ICMS do gás.

Abono salarial

De acordo com o secretário adjunto de Administração e Desburocratização (SAD), Edio Viegas, após realizar um profundo estudo da viabilidade de incorporar o abono salarial no subsídio, este procedimento beneficiaria apenas os maiores salários, assim, vai continuar em caráter prorrogável da forma como se encontra e, até o final desse mês, será enviado Projeto de Lei para a Assembleia Legislativa definindo essa situação.

Após a discussão desses pontos, os representantes do governo do Estado informaram que será feito um estudo dos impactos financeiros e, numa próxima reunião no início de maio, vai informar as posições que o Executivo irá tomar, se revisão salarial geral ou melhoria de algumas demandas específicas (redução de distorções).

Para a presidente do Sigeasfi, Luíza Coutinho, é importante que o governo do Estado continue a discutir essas demandas específicas, e que priorize a diminuição das distorções de um cargo para o outro e de uma carreira para a outra. Não se pode mais conceber um governo sem diálogo e sem abertura de discussões. O diálogo é o verdadeiro caminho para uma gestão que prioriza seus servidores e que os enxerga como parceiros, como uma equipe.