Representantes regionais do Sigeasfi e Sifems entregam documento com reivindicação ao governador

Representantes regionais do Sigeasfi e Sifems entregam documento com reivindicação ao governador

Postado em: 1 de agosto de 2016

Representantes regionais do Sigeasfi e Sifems entregam documento com reivindicação ao governador

No último sábado, dia 30 de junho, representantes regionais das entidades sindicais dos servidores da Iagro – Sifems e Sigeasfi – entregaram ao governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, e ao secretário estadual de Governo, Eduardo Riedel, um documento com pedido de reconsideração de adicional de localidade.

Neste documento, os servidores da Iagro reforçam que têm exercido as atividades de defesa sanitária animal e vegetal, nos 1.131 km da fronteira do Estado com o Paraguai, em condições estruturais e materiais mínimas, frota de veículos restrita – sem manutenção e nem combustível – e instalações prediais precárias. Mas além desses deficiências estruturais, tecnológicas e materiais, os funcionários da defesa sanitária também enfrentam rotineiramente situações de risco, como os crimes relacionados ao narcotráfico, invasões de terras por indígenas, roubo de gado, entre outros.

Por isso, no documento entregue ao governador, esses servidores ressaltam: “Não trabalhamos nas mesmas condições que os demais fiscais e agentes, uma vez que o cenário local sempre apresenta situações críticas ou conflitantes, tais como apresentamos aqui, a presença do tráfico de entorpecentes, tráfico de animais entre propriedades rurais, invasão de terras indígenas, bloqueio nas estradas, dentre outras”.

E para justificar esse pedido de adicional, no documento consta um dos artigos do Estatuto dos Servidores Públicos de MS: “O servidor que trabalha com habitualidade em condições ambientais que lhe imponha riscos à saúde ou de vida ou em atividades penosas que importem em cansaço físico e mental ao final do expediente de trabalho será concedido o adicional específico para indenizar as conseqüências dessas incidências, conforme dispuser regulamento aprovado pelo Governador”.

Para finalizar esse documento que representa os fiscais e agentes que trabalham na fronteira, consta ainda que essa falta de incentivo acarreta na evasão dos servidores dos municípios de fronteira, afastamento por motivos de saúde, diminuição da fiscalização e do controle e combate às infrações transnacionais. O adicional de localidade é um benefício importante a esses servidores que realizam atividades nas fronteiras do Estado. Com o adicional, o objetivo é que os funcionários públicos fixem residência nessas regiões.

Fonte: Sifems