Prorrogação: Rebanho do Pantanal pode ser vacinado contra aftosa até 30 de julho

Prorrogação: Rebanho do Pantanal pode ser vacinado contra aftosa até 30 de julho

Postado em: 28 de junho de 2018

Prorrogação: Rebanho do Pantanal pode ser vacinado contra aftosa até 30 de julho

Atendendo a um pedido dos pecuaristas da região do pantanal, através do Sindicato Rural de Corumbá e a Famasul (Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul), o Governo do Estado prorrogou através de portaria da Iagro – publicada nessa quarta-feira (27) no Diário Oficial – a vacinação contra febre aftosa e brucelose do rebanho da região do Pantanal.

Devido as cheias da região do Pantanal, que impossibilitam o manejo adequado do rebanho para realização da vacinação contra a febre aftosa dentro do período estipulado inicialmente, o prazo foi prorrogado e os animais podem ser vacinados até o dia 30 de julho de 2018. O prazo para o registro da vacinação no sistema também foi estendido e vai até 15 de agosto.

Da mesma forma, e pelos mesmos motivos, a Iagro também prorrogou a vacinação contra a brucelose na região do Pantanal. Os pecuaristas têm até 15 de agosto para vacinar e registrar a vacinação no sistema.

A decisão, que vem de encontro com a demanda dos pecuaristas da região do Pantanal não se estende a vacinação nas propriedades das regiões sanitárias do Planalto e Fronteira, que tiveram prazo até o último dia 15 de junho para vacinação e tem até o próximo dia 30 de junho para registro no sistema.

                                     

Segundo o diretor presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, que neste semestre esteve na Bolívia, em Paris e, recentemente, em Cuiabá discutindo as ações para retirada definitiva da vacinação contra febre aftosa no Brasil, Mato Grosso do Sul cumpre o seu papel garantindo excelentes números e manterá a média, que é superior a 99% do rebanho vacinado.

Mato Grosso do Sul

O rebanho do Estado soma 21 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos e a meta do governo é vacinar 99% dos animais, embora a exigência dos órgãos sanitários seja atingir no mínimo 80%. Garantir que mais de 99% do rebanho do Estado seja vacinado é importante para assegurar o status de zona livre de febre aftosa com vacinação, que o País conquistou recentemente e que deve ampliar o leque de oportunidades de negócios com a carne bovina do Brasil, que hoje já chega a 150 países. Mato Grosso do Sul tem um rebanho altamente produtivo (reduziu em 2 milhões de hectares a área de pastagem, mas mantém o volume de abate), é líder no abate de bezerros com até 24 meses de idade e tem carne de qualidade comprovada.

Fonte: Iagro/MS / Foto: Silvio Andrade (Segov)