Piauí confirma primeiro caso de Peste Suína Clássica

Piauí confirma primeiro caso de Peste Suína Clássica

Postado em: 9 de abril de 2019

Piauí confirma primeiro caso de Peste Suína Clássica

A Agência de Defesa Agropecuária (Adapi), através do Grupo Especial de Atenção às Enfermidades Emergenciais ou Exóticas (GEASE), confirmou o primeiro caso de Peste Suína Clássica (PSC) no Piauí. O caso foi diagnosticado no município de Lagoa do Piauí.

Segundo o veterinário e fiscal agropecuário, Idílio Moura, gerente de defesa sanitária animal da Adapi, o governo está tomando todas as medidas necessárias para erradicar o foco da peste suína.

“As medidas incluem interdição da propriedade, controle do trânsito de animais, investigação epidemiológica nas propriedades circunvizinhas, sacrifício sanitários de todos os suínos do foco”, diz, enfatizando que a doença é transmitida por um vírus altamente contagioso.

“Vale ressaltar que o vírus afeta somente suínos e javalis e não atinge o ser humano. Não é zoonose, portanto, não há qualquer problema para o consumo da carne suína”, explica o veterinário.

Segundo Idílo Moura, o prejuízo é econômico por conta do trânsito de animais, pois não pode ser comercializado suíno do Piauí para outros estados. “Há embargos econômicos, restrições de movimentação de suíno dentro e fora do estado”, diz, esclarecendo que no último domingo (6), quatro equipes de veterinários foram até o município para efetuar o sacrifício e desinfecção das instalações e veículos das propriedades e fazer a erradicação do foco. “Será um processo contínuo que durará cerca de 30 dias ou mais, até ter a certeza de que o vírus foi erradicado”, esclarece.

No Piauí, atualmente se tem um rebanho aproximado de 1.700.000 cabeças. Desde outubro do ano passado, houve a confirmação de 44 focos de PSC no Brasil, sendo todos no Ceará.

A doença caracteriza-se pela alta mortalidade de animais e os principais sinais clínicos são: febre alta, lesões hemorrágicas (manchas avermelhadas) na pele e extremidades (orelhas, membros, focinho e cauda), constipação intestinal seguida de diarreia, vômito, sinais nervosos, conjuntivite, falta de apetite, fraqueza e problemas reprodutivos (aborto, natimorto e repetição de cio).

Como a peste suína é transmitida:

– Contato direto entre animais (secreções, excretas, sêmen, sangue);

– Propagação por pessoas, utensílios, veículos, roupas, instrumentos e agulhas;

– Utilização de restos de alimentos sem tratamento térmico adequado na alimentação dos animais;

– Infecção transplacentária.

Por: Ascom Adapi

Foto: José Medeiros/Governo de Mato Grosso