12 animais foram sacrificados em decorrência do mormo na região leste de MS

12 animais foram sacrificados em decorrência do mormo na região leste de MS

Postado em: 1 de junho de 2016

12 animais foram sacrificados em decorrência do mormo na região leste de MS

Os municípios de Batayporã, Taquarussu e Novo Horizonte do Sul têm casos confirmados de mormo equino, que é uma enfermidade bacteriana infectocontagiosa grave que acomete principalmente os equídeos, podendo também acometer os carnívoros, os pequenos ruminantes e até o homem. A informação foi apurada pelo site Nova News na manhã da última segunda-feira (30) junto à Coordenação do Programa Estadual de Sanidade de Equídeos de Mato Grosso do Sul.

Nas últimas semanas, no município de Batayporã, oito propriedades rurais são investigadas, das quais, três foram consideradas focos da doença por possuírem cavalos cujos exames deram positivo para mormo equino. Os três animais diagnosticados com a enfermidade já foram sacrificados, uma vez que a doença é incurável e contagiosa.

Além de abatidos, os animais devem ser incinerados para evitar a contaminação do solo e dos recursos naturais. Além das três propriedades confirmadas como focos, as outras cinco seguem sob investigação e o órgão competente aguarda os resultados dos exames para confirmar ou descartar as suspeitas.

Em Taquarussu, foi confirmado um foco da doença, onde três animais foram diagnosticados com mormo e devidamente sacrificados. Já no município de Novo Horizonte do Sul, houve o registro de um foco, no qual seis animais contaminados com a doença também foram sacrificados.

Ainda segundo a Coordenação do Programa Estadual de Sanidade de Equídeos de Mato Grosso do Sul, em Nova Andradina houve apenas um caso suspeito de mormo equino, isso em 2015, porém, como não houve confirmação, o município não foi incluído nas estatísticas. Com relação aos demais municípios do Vale do Ivinhema, o órgão competente afirmou não haver casos suspeitos até o momento. Focos da doença também foram identificados em outras regiões do Estado.

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Sanidade de Equídeos de Mato Grosso do Sul, Kelly Noda Gonçalves, em caso de suspeita de animais contaminados, o proprietário deve acionar imediatamente uma unidade da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro) para que uma investigação por meio de exames possa ser realizada. Segundo ela, a responsabilidade dos donos e cuidadores de animais é muito importante para evitar a contaminação em massa e suas consequências.

Por: Nova News