Governo publica decreto com retorno da jornada de 8 horas

Governo publica decreto com retorno da jornada de 8 horas

Postado em: 20 de março de 2019

Governo publica decreto com retorno da jornada de 8 horas

Foi publicado nesta terça-feira (19.3), no Diário Oficial do Estado (DOE), o Decreto nº 15.192 que restitui a jornada de trabalho de 8 horas diárias ou 40 horas semanais dos servidores estaduais de MS, a partir de 1º de julho.

Os sindicatos que representam o funcionalismo público estadual se posicionaram contrário a esta alteração, já que vai trazer transtornos a vida de milhares de trabalhadores, sem falar que a redução da carga horária para algumas categorias representou, na época, compensação da baixa remuneração.

No caso da Iagro, segundo a presidente do Sigeasfi-MS, Líliam Kohler, já existem escritórios que funcionam no período da tarde sem nenhum movimento de produtores rurais.

“Sem falar que, em algumas situações, o Estado não tem verba para o combustível dos carros usados no serviço de Vigilância de Saúde Animal e Vegetal. Além disso, há falta de material de expediente, unidades com problemas de mobiliário e falta de ar condicionado, e também não há convênio com empresa de manutenção dos aparelhos de ar-condicionado, piorando a condição de trabalho dos servidores”, comentou.

A presidente do sindicato disse ainda que os servidores têm reclamado que não há pagamento para plantão e, muitas vezes, as diárias demoram a ser pagas. “Com mais essa mudança, os servidores ficarão ainda mais desmotivados”, ressaltou Líliam.

O Sigeasfi-MS faz parte do Fórum dos Servidores Públicos de MS e, em reunião na semana passada, deliberaram as seguintes ações: publicação de nota técnica sobre os prejuízos e efeitos da implantação do aumento da jornada de trabalho (8h/dia); protocolar ofício solicitando mais uma vez uma audiência com o governador do Estado; requerer o uso da tribuna da Assembleia Legislativa na defesa dos direitos dos servidores.

Clique aqui e leia o Decreto nº 15.192, de 18 de março de 2019.

Por: Assessoria de Comunicação do Sigeasfi-MS (Com informações do Sindijus-MS)