Começa campanha de vacinação contra a febre aftosa em MS

Começa campanha de vacinação contra a febre aftosa em MS

Postado em: 2 de maio de 2018

Começa campanha de vacinação contra a febre aftosa em MS

A vacinação contra a febre aftosa começou oficialmente em Mato Grosso do Sul nesta terça-feira (1º), para os proprietários das regiões do Planalto, Fronteira e Pantanal. A previsão do Governo do Estado é imunizar 21 milhões de animais entre bovinos e bubalinos.

No Planalto e na Fronteira, a vacinação acontece de 1º a 31 de maio, e o registro deve ser feito de 1º de maio a 15 de junho. Os proprietários da região do Pantanal que optarem pela vacinação de todo o rebanho em maio, deverão vacinar de 1º de maio a 15 de junho, e o registro de 1º de maio até 2 de julho.

A Iagro publicou instrução de serviço em que orienta produtores da região do Pantanal que em caso de enchente na propriedade, a retirada dos animais deve ser requerida junto ao órgão. Caso o destino seja informado previamente, será feita a emissão de GTA, caso não informe o local o serviço oficial deve controlar e acompanhar a movimentação dos animais.

Fiscalização

É válido lembrar que a vacinação será exigida e fiscalizada pelos órgãos responsáveis, por meio de coleta de sangue e documento de declaração entregue na Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro).

Segundo o médico veterinário do Sistema Famasul, Horácio Tinoco, o Estado é livre de aftosa com vacinação desde 2008 no Pantanal e Planalto e, desde 2011, na Fronteira. Para manter o status, é necessário uma ação contínua.

 “Os produtores rurais precisam continuar o trabalho de prevenção para manter o status que é reconhecido pela OIE (Organização Mundial de Saúde Animal) e abre portas para que a nossa carne bovina conquiste um espaço de cada vez maior no mercado internacional”, ressalta.

Penalidades

Segundo o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Guilherme Marques, o calendário de vacinação têm que ser seguido à risca. “O fazendeiro que não cumprir com sua obrigação será autuado e multado, e a vacinação será aplicada mesmo que seja necessária a utilização de força policial”, afirmou.

O diretor acrescentou ainda que, se os auditores fiscais constatarem que o rebanho não foi vacinado, o produtor responderá um processo. “Então é bom todos estarem conscientes do seu papel, fazer a vacinação corretamente, conservando a vacina na temperatura de 2 a 8 graus, aplicando, preferencialmente, debaixo do couro, na tábua do pescoço dos bois e búfalos”, alertou.

Fonte: Iagro e Correio do Estado – Foto: Divulgação